M - N - O - P




picture *** foto

Maida - Favorite dog of Scottish writer and poet Sir Walter Scott. Maida (named after the Battle of Maida), was a gift to him in 1816. On a letter, Sir Scott wrote: the large one was a stag-hound of the old Highland breed, called Maida, and one of the handsomest dogs that could be found; it was a present to me from the chief of Glengarry*, and was highly valued, both on account of his beauty, his fidelity, and the great rarity of the breed.

*Alasdair Ranaldson MacDonell of Glengarry?

According of Stanley Coren (author of The Pawprints of History), Maida was a cross between a Wolfhound and a Scottish Deerhound. Maida was a male, although in an article published in 1898 (
Sir Walter Scott's Dogs), Maida is referenced as being female. The dog is buried at Abbotsford House. The epitaph for his/her grave, by John Gibson Lockhart, reads:

Maidae marmorea dormis sub imagine;
Maida, Ad ianuam domini sit tibi terra levis.

translated into English by Sir Scott:

Beneath the sculptured form which late you wore
Sleep soundly, Maida, at your master's door.



"Maida was Sir Walter's favourite dog, and is shown with Sir Walter in both the portrait of him by Raeburn, and on the Scott Monument in Edinburgh. This statue was carved from life by John Smith, and is mentioned in his diary: he began the statue on 25th December 1823, and the next day remarked 'on figure of dog all day. Had person to hold him'. It was finally completed and put in position on 12th Feb 1824. Maida died soon afterwards and is buried underneath. Further details of the objects in the courtyard are to be found in the Abbotsford Guide Book." source

"Near the front porch stands a mounting block or ‘louping-on-stane’ (Brown (ed.) 2003, 132) in the form of a recumbent statue of Maida, Scott’s favourite dog (a wolf-greyhound), carved by John Smith. When Maida died in 1824, he was buried beneath the stone and the Latin memorial inscription was added, composed by Lockhart with grammatical inaccuracies which were reported in the national press, such was the interest in Scott’s every action."  source



Read about the statues of Sir Walter Scott with Maida
here
See paintings with Sir Scott and Maida here
You can read further information about Sir Scott's relationship with his dogs in the book The Pawprints of History.


Português ***



Portuguese

Maida - Mascote favorito do escritor e poeta escocês Sir Walter Scott. Ele ganhou Maida em 1816; o nome do cão foi uma homenagem à Batalha de Maida, uma vitória dos britânicos sobre o Primeiro Império Francês em 4 de julho de 1806, perto da cidade de Maida, Itália. Em uma carta, Sir Scott escreveu: o maior era um cão de caça de uma antiga raça das terras altas da Escócia, chamado Maida, um dos mais belos cães que se podia encontrar; foi um presente do chefe do clã [MacDonnell of] Glengarry*, e tinha muito valor, tanto pela sua beleza, sua fidelidade, bem como pela raridade da raça.

*Alasdair Ranaldson MacDonell of Glengarry?

John Smith começou a esculpir  no dia 25 de dezembro de 1823 (segundo o que escreveu em seu diário); e a obra foi colocada no lugar onde está até hoje — na Abbotsford House (antiga residência de Sir Scott), em Melrose, Escócia — em 12 de fevereiro de 1824. Maida "posou" para Smith, pouco antes de morrer. Maida foi então enterrado em baixo da escultura. O epitáfio, escrito por John Gibson Lockhart, diz:

Maidae marmorea dormis sub imagine;
Maida, Ad ianuam domini sit tibi terra levis.


Photos © Jeanette McWhinnie


Leia sobre as estátuas de Sir Walter Scott com Maida aqui
Veja belos quadros de Sir Scott e Maida aqui




picture *** foto picture *** foto picture *** foto picture *** foto picture *** foto
picture *** foto picture *** foto picture *** foto picture *** foto

Malchik (Compassion) - Malchik was a stray dog who wandered on the metro station Mendeleyevskaya of the Serpukhovsko-Timiryazevskaya Line of the Moscow Metro and he was cherished by passengers and metro workers alike. One day the beloved dog's path crossed, in a pedestrian underpass, with schizophrenic Yulia Romanova, who stabbed the dog with a kitchen knife in broad daylight, after Malchik (who defended his territory against drunks and other dogs) growl at her and her Staffordshire Bull Terrier. Romanova was arrested, tried, and underwent one year of psychiatric treatment.

After his tragic death, a
group of national artists asked the head of metro Dmitry Gaev to support the idea of erecting a monument to him. They start a campaign to raise money, and they were very successful — not just did people from Russia contributed, but also people all over the world.

The bronze statue
on a pedestal of monolithic serpentine (world's first stray dog monument) was unveiled at the entrance to Mendeleyevskaya on the last day of the Dog year; the pedestal inscription reads: Dedicated to humane attitudes to stray animals.

Muscovites love their stray dogs — there is even a website dedicated to the subway dogs. Read this interesting article: Evolution or De-Evolution: The Metro Dogs of Moscow.

Português ***



Portuguese

Malchik (Compaixão) - Era um cãozinho vira-lata que costumava perambular pela estação de metrô russa Mendeleyevskaya, em Moscou; tanto os funcionários quanto os passageiros gostavam muito de Malchik. Infelizmente, um dia seu caminho cruzou com o de Yulia Romanova, uma jovem esquizofrênica — e ela o esfaqueou até a morte, com uma faca de cozinha, em plena luz do dia. O motivo? Malchik, querendo defender seu território, rosnou para ela e para o seu Staffordshire Bull Terrier. Yulia foi presa, julgada e senteciada a um ano de tratamento psiquiátrico.

Após sua trágica morte, um grupo de artistas procurou o diretor do metrô e pediu a ele o apoio para a feitura de uma estátua em homenagem ao cãozinho. A ideia deu tão certo, que até mesmo pessoas de outros países contribuíram para que o projeto se realizasse.

A estátua de bronze, em um pedestal de
serpentina monolítica (o primeiro do mundo em homenagem ao cão de rua), esculpida por Alexander Tsigal e entitulada Compaixão, foi inaugurada em 17 de fevereiro de 2007 (último dia do ano do Cão) na entrada da estação Mendeleyevskaya. A inscrição em sua base diz: Dedicada à promoção de uma atitude mais humanitária para com os animais de rua.

Os moscovitas amam os cães de rua; eles são muito agradecidos a esses animais que mantêm as ruas limpas, consumindo restos de alimentos, e livres de ratos. Existe até um website dedicado aos cães que vivem nas estações de metrô — e se utilizam dos trens para se locomoverem!*


*Está estátua foi a 100ª catalogada por mim (em 22 de junho de 2008). Eu a dedico ao meu querido cachorrinho Mostarda, um vira-lata que chegou de mansinho, roubou meu coração e foi-se embora, deixando um vazio enorme e muitas saudades. Gisele




MarilynMarilyn - Dog that lived in Zamamijima (part of the Kerama Islands group, Okinawa Prefecture), Japan. She was Shiro's girlfriend. Hideyuki Miyahira, Marilyn's owner, tells that "Shiro came here soaked everyday, even on rainy and windy days. I was so surprised and deeply moved by their pure, true love." Marilyn died in August 1987 (car accident), and Shiro, in November 2000, at the age of 17. Their romance was made into a movie in 1988 — Marilyn ni aitai (I Want to See Marilyn AKA Shiro and Marilyn); Shiro's role was played by Shiro himself.

Português *** Portuguese

Marilyn - Cadelinha vira-lata que vivia Zamamijima (uma das ilhas do arquipélago de Kerama, em Okinawa, Japão), namorada de Shiro, que vivia em uma ilha vizinha. A distância entre os dois cães não se apresentou como um obstáculo — Shiro passou a nadar, todos os dias, quase 4 km para se encontrar com sua namorada. Hideyuki Miyahira, dono de Marilyn, conta que "Shiro chegava aqui ensopado todos os dias, mesmo em dias chuvosos e com vento. Eu ficava espantado e muito comovido pelo amor puro e verdadeiro dos dois." Marilyn morreu em agosto de 1987 (acidente de carro) e Shiro, em novembro de 2000, aos 17 anos.

Em 26 novembro de 2001, duas estátuas foram inauguradas em honra aos dois cães: uma em Zamamijima e a outra em Akajima, na praia de Nishihama. Em 1988, o romance canino virou filme no Japão — Marilyn ni aitai (Eu Quero Ver Marilyn, não foi lançado no Brasil); o papel de Shiro foi "interpretado" por ele mesmo.




picture *** foto

1 -



oregongarden.orgMax - According to artist Jim Gion, "Max was an old yellow lab who lived on a farm in Silverton, he was a bit infirm at the time I made the piece but still had a great attitude. He was at the end of his tenure as a dog but seemed quite at peace and satisfied with himself for having lived a long and fulfilling doggy life."

Português ***



Portuguese

Max - Estátua em bronze no Oregon Garden, em Silverton, Oregon, Estados Unidos, esculpida por Jim Gion. De acordo com o artista, Max era um Labrador idoso que morava em uma fazenda em Silverton. Quando posou para a escultura, estava já meio doentinho, mas ainda tinha muita alegria de viver.


Photo 1 © oregongarden.org
Photo 2


BANNER


© defiant yodeler

picture *** foto picture *** foto picture *** foto picture *** foto picture *** foto Waymarking

Português *** Portuguese

McDog

Fox Terrier de Pelo Duro do escultor
William McVey (1904-1995)

bronze
1985
Jardim Botânico
Cleveland, Ohio, Estados Unidos



BANNER

picture *** foto button

dogMonty - Monty used to frequent stores with his owner; the dog carried his purchases in a basket. When the man got sick and couldn't leave his house, Monty would go shopping by himself, carrying the basket, a note and money.

Português *** Portuguese

Monty - Monty costumava frequentar lojas, shoppings e supermercados com seu dono e carregava suas compras em uma cesta. Quando o dono ficou doente e não podia mais sair de casa, o cachorro passou a ir sozinho, levando na boca a cesta com uma lista e dinheiro para a compra dos produtos necessários. Após a morte de Monty, os comerciantes locais, de quem Monty era cliente, resolveram homenagear o cão com uma estátua. Em Stones Corner/Greenslopes, na cidade de Brisbane, Queensland, Austrália.


Photo © ladypenrhyn


CLICK!

PICTURE *** FOTO

Moro - Statue in memory of Moro, the dog who used to follow funeral processions in Fernán Núñez, Spain.


Português *** Portuguese


Moro - Homenagem ao cão que costumava acompanhar os enterros até o cemitério no município de Fernán Núñez, província de Córdoba, comunidade autônoma da Andaluzia, Espanha; estátua esculpida por Juan Polo Velasco, nascido em 1923 em Fernán Núñez.



Photo © culturandalucia.com


BANNER

picture *** foto picture *** foto picture *** foto

NobleNoble - Queen Victoria favorite Collie, Noble died on September 18, 1887; he was 16 years old. He is buried at the royal pet cemetery in Balmoral.


Português *** Portuguese


Noble - Collie favorito da Rainha Vitória, ele morreu em 18 de setembro de 1887 aos 16 anos. Está enterrado no cemitério de animais do Castelo de Balmoral, Royal Deeside, Escócia, onde também está a estátua em sua homenagem.

Photo © karenwithak


BANNER

dogNord (and a rendeer) - Tribute of the Russian Nikolay Kalitin, an Evenk writer, to Nord, his dog, when he was 12 years old.


Português



*** Portuguese


Nord (e uma rena) - Homenagem do escritor russo Nikolay Kalitin, descendente do povo Evenki ao seu cão Nord, quando este completou 12 anos. Na propriedade do escritor, na República da Iacútia, Rússia; escultura do artista Maxim Pavlov.


Photo © yakutiatoday.com



PICTURE PICTURE waymarking.com

Old Drum - Was the center of a lawsuit in Warrensburg, Missouri, USA, on September 23, 1870; the dog was the best hunting dog of a local farmer and was killed by a neighbor; he accused the dog of killing his sheep. In court, the farmer's lawyer, George Graham Vest, delivered an emotional speech — Eulogy of the Dog — exposing dogs as "man's best friends".

Português ***



Portuguese

Old Drum - "Velho Tambor" foi o centro de um processo judicial ocorrido em Warrensburg, Missouri, Estados Unidos, em 23 de setembro de 1870. Ele era o melhor cão de caça de um fazendeiro local e foi morto a mando do vizinho que achava que o cão era responsável pela morte de suas ovelhas. Processado, teve que ouvir no Tribunal o discurso do advogado do fazendeiro, George Graham West, que arrancou lágrimas dos jurados e cunhou a célebre frase "o cão é o melhor amigo do homem": Tributo a um Cão. A estátua de Old Drum, inaugurada em 1958, fica em frente ao Tribunal de Justiça de Warrensburg.


PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE waymarking.com

Old Shep - Was a faithful dog who kept vigil, at first, outside the hospital his owner had been hospitalized, and later, at the train station in Fort Benton, Montana, for five and a half years, waiting patiently the return of his beloved friend — whose body had been sent away by relatives, in August, 1936. Old Shep died on January 12, 1942. His collar and bowl are at the Museum of the Upper Missouri.

Português ***



Portuguese

Old Shep - Em agosto de 1936 um pastor foi hospitalizado em Fort Benton, Montana, Estados Unidos; do lado de fora do hospital, seu fiel Border Collie esperou ansiosamente pela recuperação de seu dono, o que, infelizmente, não aconteceu. Por decisão da família, o corpo do pastor deveria ser enterrado em outra cidade; assim sendo, o caixão foi levado até a estação de trem, com o fiel amigo canino logo atrás. Porém, como não foi permitido ao cão (mais tarde batizado de Old Shep, Velho Pastor) embarcar no trem, só restou ao animal ficar na estação numa vigília constante — durante cinco anos e meio Old Shep saudou cada passageiro que  desembarcava, na esperança de reencontrar-se com seu amigo. A incansável espera de Old Shep só terminou com sua morte, em 12 de janeiro de 1942; ele foi enterrado em uma colina com vista para a estação de trem.

A história de Old Shep espalhou-se pelo mundo — em plena Segunda Guerra Mundial, jornais como o London Daily Express e o New York Times fizeram matérias sobre o cão; ele foi tema do programa Ripley's Believe It Or Not (Acredite Se Quiser) e sua morte foi divulgada pelas agências de notícias Associated Press/AP e United Press International/UPI.

Em junho de 1995, uma estátua de bronze de Old Shep, esculpida por Bob Schriver, foi erigida na histórica barragem de Fort Benton; sua coleira e tigela estão no Museum of the Upper Missouri.



PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE
PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE waymarking.com

dogPatsy Ann - Bull Terrier born in Portland, Oregon, on October 12, 1929; a puppy yet, she went to live in Juneau, Alaska. Although quite deaf, Patsy always could tell when ships were arriving at the port — before they were at sight — and loved to salute the visitors. Because of that, the mayor granted her the title "Official Greeter of Juneau" in 1934. Patsy was very much loved, and, when she died in March 30, 1942, a small coffin with her body was lowered into Gastineau Channel, a ceremony witnessed by many people. A book — Patsy Ann — telling her story was written by Carl Burrows, resident in Juneau.

Português ***



Portuguese

Patsy Ann - Bull Terrier, nasceu em Portland, Oregon, EUA, em 12 de outubro de 1929 e foi ainda filhote para Juneau, no Alasca. Apesar de ser surda como uma porta, Patsy de algum modo conseguia prever a chegada dos navios ao porto bem antes que eles Real Patsy Annestivessem à vista e então corria para saudar os viajantes. Por causa disto, em 1934 o prefeito a nomeou "Saudadora Oficial de Juneau".

Com o passar dos anos, Patsy diminuiu o ritmo por causa do reumatismo causado pelos mergulhos nas águas geladas do Canal Gastineau e por ter ficado um pouco gorducha — tinha muitos amigos que lhe forneciam boa e farta alimentação.

Morreu em 30 de março de 1942; um pequeno caixão com seu corpo desceu ao fundo do Gastineau Channel, tendo seu funeral sido assistido por muitas pessoas. Cinqüenta anos após sua morte, em 3 de julho de 1992, a estátua de Patsy Ann — esculpida por Anna Burke Harris —  foi inaugurada no porto onde ela costumava ficar; Patsy continua a receber os turistas que chegam à cidade. Também um livro foi publicado contado a história da cadelinha — Patsy Ann, escrito por um morador de Juneau, Carl Burrows.


Photo (statue) © Meredith P.



BANNER

PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE PICTURE

PippoPippo - In 1977, Pippo appeared in Torre del Lago Puccini with a deep wound of fire weapon on the back and was adopted by the inhabitants; he lived there  for about 20 years, and was loved by everyone. The composer Giacomo Puccini lived nearby, so the village of Torre del Lago is sometimes mentioned with suffix "Puccini" in his honour.

Português *** Portuguese

Pippo - Pippo era um cão sem dono que apareceu na vila de Torre del Lago Puccini em 1977 com um ferimento nas costas provocado por arma de fogo; ele foi adotado pelos habitantes do local e com eles viveu cerca de 20 anos, amando os humanos apesar de um dia ter sido ferido por um deles. Por  sua bondade, perdão, amizade e devoção àqueles que o ajudaram, Pippo mereceu uma estátua de bronze (do artista Giovanni Vettori) em sua homenagem na mesma Torre del Lago Puccini que o acolheu, na Toscana, Itália, inaugurada em 8/12/2002.

Photo © Gianpietro Migheli


BANNER

picture *** foto picture *** foto picture *** foto picture *** foto

PuppyPuppy - "Commemorates the dog which was the mascot of the disbanded Toowoomba Thistle Pipe Band. He belonged to the band`s drum major, Mr. Hugh Morgan and was attired in a rug in the band`s tartan pattern. The dog led the band in the annual Carnival of Flowers procession from 1950. Puppy died after being struck by a car on Carnival of Flowers day in 1958. The monument has withstood several attempts by vandals to steal it. It was first dognapped in 1983 and found in an underground car park in Coolangatta, and in 1990 the statue was found over the Range escarpment."  source

Português *** Portuguese

Puppy - Puppy (1948-1958) era o mascote da banda de gaita de foles de Toowoomba; ele pertencia a Hugh Morgan, um dos membros, e vestia um tartan com o padrão da banda quando saía à frente da banda durante o Carnaval das Flores; foi nesse dia, em 1958, que acabou sendo atropelado e morto. A estátua (do artista Vern Foss) foi erigida por volta de 1959 em Toowoomba, Queensland, Austrália e já foi roubada (e recuperada) duas vezes pelo menos.


Photo © David Jefferies


BACK

VOLTAR